alert-erroralert-infoalert-successalert-warningbroken-imagecheckmarkcontact-emailcontact-phonecustomizationforbiddenlockedpersonalisation-flagpersonalizationrating-activerating-inactivesize-guidetooltipusp-checkmarkusp-deliveryusp-free-returnsarrow-backarrow-downarrow-left-longarrow-leftarrow-right-longarrow-rightarrow-upbag-activebag-inactivecalendar-activecalendar-inactivechatcheckbox-checkmarkcheckmark-fullclipboardclosecross-smalldropdowneditexpandhamburgerhide-activehide-inactivelocate-targetlockminusnotification-activenotification-inactivepause-shadowpausepin-smallpinplay-shadowplayplusprofilereloadsearchsharewishlist-activewishlist-inactivezoom-outzoomfacebookgoogleinstagram-filledinstagrammessenger-blackmessenger-colorpinterestruntastictwittervkwhatsappyahooyoutube
adidas
adidas / junho 2019

7 PASSOS PARA LUTAR CONTRA A POLUIÇÃO

70% do planeta Terra é coberto por oceanos. Mais de 40% deles são poluídos com plástico. A poluição marinha não só acaba com a beleza natural das nossas águas, como também prejudica a vida selvagem e o meio ambiente em escala global. Precisamos tomar uma atitude imediatamente. Podemos fazer a diferença no combate da poluição plástica. Veja como começar.

running-fw19-rfto-launch-appstorypreview-7steps-image1-d

3 PRINCIPAIS FONTES DE POLUIÇÃO MARINHA POR PLÁSTICO

Os oceanos formam o ecossistema mais extenso e plural do planeta, com dezenas de milhares de espécies, além de ser responsável por metade do oxigênio que respiramos. Porém, ele também é o mais preocupante, poluído por plástico, o que ameaça não só a vida marinha, mas todos nós, em terra firme. Os cientistas estimam que por ano, oito milhões de toneladas de plástico sejam despejadas nos oceanos. É um número assustador, só de pensar. Então, como se divide?

PLÁSTICO INDUSTRIAL: A indústria tem um papel fundamental no problema do plástico. No mundo inteiro, embalagens e produtos têxteis acumulam 100 milhões de toneladas de lixo por ano. É por isso que a adidas sempre busca novas maneiras de aprimorar a sua pegada ambiental.

MICROPLÁSTICO: A poluição dos mares não é ruim só para os ecossistemas, também conta muito para a poluição visual. Mas a pior delas é a invisível. Este é o caso das microesferas, encontradas em cosméticos e outros produtos. Um banho com um shampoo que usa esse material, pode despachar até 100.000 partículas para os oceanos.

PLÁSTICO DO CONSUMIDOR: É aí que você entra. O plástico proveniente do consumo é o que vemos no nosso dia a dia: garrafas, sacolas, canudos, embalagens de delivery e muito mais. Sacolas plásticas têm uma média de uso de meros 12 minutos, mas depois de jogadas fora, podem durar até 1.000 anos antes da decomposição. Estima-se que 1 trilhão delas sejam produzidas todos os anos e menos de 1% sejam recicladas. Milhões acabam nos oceanos.


POR QUE PRECISAMOS PROTEGER OS OCEANOS?

A ameaça imediata da poluição plástica atinge a vida marinha. Milhares de animais são mortos todos os anos porque confundem resíduos com comida e engasgam, ou se enforcam em pedaços que flutuam por aí.

Mas os animais não são os únicos a sofrerem com os oceanos repletos de lixo humano. O plástico erosivo, como polistireno (isopor) é conhecido por liberar toxinas nocivas ao fragmentar-se nas águas. O mercúrio é só um dos poluentes alarmantes que resultam deste processo, encontrados em concentrações cada vez maiores nos frutos do mar. A extensão da ameaça à segurança alimentar permanece incerta, mas o que sabemos é que o mercúrio pode causar problemas graves á saúde humana que vão desde danos a órgãos internos, à problemas de desenvolvimento infantil.

Novas pesquisas indicam uma relação entre a poluição dos mares e a mudança climática. Enquanto os resíduos flutuam nas águas, levando centenas de anos para a decomposição, eles liberam gases de efeito estufa poderosos. Estes gases, incluindo metano e etileno, são considerados grandes influencias na degradação da atmosfera terrestre.

Felizmente, há medidas que podemos tomar para recuperar nossos oceanos. Isoladamente, estas mudanças de comportamento podem ter impacto limitado, mas se fizermos nossa parte, podemos realmente fazer a diferença.

adidas / junho 2019